Portal Fronteira Livre

Segunda, 06 de dezembro de 2021
MENU

Sociedade

STF forma maioria para negar pedido de liberdade do caminhoneiro Zé Trovão

Prisão foi decretada em 1º de setembro. Ele está foragido no México, onde pediu asilo político

151
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou o pedido do caminhoneiro Marco Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, para reverter a prisão preventiva decretada pelo ministro Alexandre de Moraes. Antes mesmo de ter uma ordem de prisão decretada por Moraes, ele deixou o país e foi para o México, de onde continuou a fazer vídeos incentivando atos antidemocráticos no 7 de Setembro.

O julgamento ocorre no plenário virtual do STF e já conta com os votos de oito ministros, que seguiram o relator, ministro Edson Fachin, que tinha negado o pedido.

Fachin, que já havia negado o habeas corpus de Zé Trovão em uma decisão monocrática, voltou a afirmar que "não é cabível habeas corpus"contra decisão monocrática proferida por um outro ministro da Corte.

Zé Trovão teve a ordem de prisão decretada por Moraes, a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), no inquérito que apura o financiamento e convocação de atos antidemocráticos. No dia 3 deste mês, o ministro decretou a prisão preventiva de Marcos Antônio.

O caminhoneiro era dono do canal no Youtube "Zé Trovão a voz das estradas", que, antes de ser retirado do ar, tinha mais de 40 mil inscritos. Em seus vídeos e postagens, chamava a população para ir a Brasília e exigia a "exoneração dos 11 ministros do STF". Em outras publicações, fez ataques à CPI da Covid, no Senado, além de ter participado de "motociatas" em favor do presidente Jair Bolsonaro. O líder caminhoneiro já havia sido alvo de busca e apreensão no mês passado, em agosto, no mesmo inquérito.

Mesmo foragido, Zé Trovão continuou gravando vídeos e incitando os atos do dia 7 de setembro. Ele também pediu aos caminhoneiros que fechassem as rodovias, o que acabou ocorrendo.

Créditos (Imagem de capa): Reprodução

Comentários:

Publicidade
Publicidade

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!