Portal Fronteira Livre

Sábado, 18 de setembro de 2021
MENU

América Latina

Protestos pelo 48° aniversário do golpe de Pinochet no Chile têm confronto entre manifestantes e polícia

Polícia reprimiu manifestação em Santiago com jatos d'água

105
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Os protestos para marcar 48 anos do golpe militar do ditador Augusto Pinochet contra o governo do socialista Salvador Allende no Chile tiveram incidentes entre manifestantes e policiais.

Com bandeiras do Chile, do Partido Comunista e de outros grupos políticos de esquerda, centenas de pessoas marcharam perto do Palácio La Moneda – no centro de Santiago – para deixar flores no monumento a Allende, que se suicidou no meio do bombardeio militar que Pinochet ordenou contra a sede do governo chileno em 11 de setembro de 1973. O ataque encerrou o mandato do presidente socialista.

O golpe deu lugar a uma das ditaduras mais sangrentas da América Latina, liderada por Pinochet durante 17 anos, na qual mais de 3.200 pessoas morreram ou desapareceram enquanto cerca de 40.000 foram torturadas, segundo dados oficiais.

“É um 11 de setembro doloroso, porque vivemos novamente as violações dos direitos humanos, mas também esperançoso porque todo o Chile e o mundo são atormentados por comemorações para que essas violações nunca mais ocorram”, disse Lorena Pizarro, presidente da Associação de Detidos e Desaparecidos do Chile.

Milhares de pessoas marcharam pela Alameda, a principal avenida de Santiago, causando alguma destruição e incêndios em pontos de transporte público, além de saques a lojas.

Os manifestantes foram até o Cemitério Geral da cidade, em uma peregrinação que acontece todos os anos, onde novamente houve confrontos com a polícia, que dispersou a multidão com lançadores de água e gás lacrimogêneo. Ao menos seis pessoas foram presas.

A comemoração do 11 de setembro deste ano acontece no contexto da eleição presidencial de 21 de novembro e também da elaboração de uma nova Constituição que deve substituir a atual – herdada da ditadura –, tarefa a cargo de 155 constituintes que têm um ano para redigi-la.

“A Convenção Constitucional deve se encarregar das garantias de não repetição (das violações dos direitos humanos) e das Forças Armadas e da Polícia”, acrescentou Pizarro.

Dezenas de militares e agentes da ditadura foram condenados no Chile por crimes ocorridos durante a ditadura, enquanto a justiça italiana solicitou em agosto a extradição de três ex-militares pelo assassinato de dois italianos durante o regime de Pinochet. As informações são da agência de notícias AFP.

Créditos (Imagem de capa): Reprodução

Comentários:

Publicidade
Publicidade

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!