Portal Fronteira Livre

Sexta, 01 de julho de 2022
MENU

Negócios

O que é bug? Entenda a origem do termo e como evitar

A história de como essa palavra passou a remeter a erros de computador ainda não é tão conhecida.

304
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Apesar de a palavra bug ser utilizada amplamente para se referir a falhas inexplicáveis que ocorrem em computadores, tablets, smartphones e dispositivos semelhantes, a história de como essa palavra passou a remeter a erros de computador ainda não é tão conhecida.

Por esse motivo, neste artigo falaremos mais sobre a origem do termo e explicaremos tudo sobre o que é bug, quando ele pode acontecer e quais circunstâncias colaboram para que ele ocorra. Confira!

Quais os problemas de um Bug?

O termo “Bug” é um jargão usado no ambiente de desenvolvimento para identificar uma falha no sistema. Um problema a ser corrigido, as vezes simples que pode passar desapercebido ou mais que urgentes que podem causar enormes problemas aos usuários de um determinado sistema.

Esses bugs podem causar problemas icônicos, desde o travamento do Windows (esse é mais comum do que parece) até o vazamento de informações sigilosas, como contas de bancos e demais dados pessoais de usuários. Essas pequenas falhas podem representar uma porta de entrada para pessoas maliciosas, os Hackers.

Algumas empresas elaboram até campeonatos valendo uma boa quantidade de dinheiro para que os usuários encontrem bug em sua plataforma e entreguem a solução para solução desse problema.

Versões em desenvolvimento e Bug Bounty

Antes que os desenvolvedores e empresas lancem seus programas e dispositivos, muitos testes são realizados para evitar quaisquer tipos de falhas, os famosos “Bugs”.

Quando um bug é encontrado, se fas necessário encontrar a origem da falha não prevista e oferecer a solução o mais rápido possível para os usuários do sistema ou app, pois isso pode ser muito nocivo a integridade dos dados de quem utiliza aquela aplicação.

Por isso, é muito comum que empresas e desenvolvedores ofereçam primeiro uma versão de testes, os chamados beta de sistemas ou apps, para que um grupo restrito de usuários possam testar a aplicação. Na maior parte das vezes os usuários estão cientes que a aplicação é uma versão não completa e estão sujeitas as possíveis falhas.

É importante que os desenvolvedores e empresas informem aos usuários que aquela aplicação é Beta.

Algumas empresas, como Google, Netflix, Microsoft, Samsung, Paypal, Facebook e Instagram já incentivaram campanhas de Bug bounty para que usuários, hackers e pesquisadores encontrassem bugs em suas plataformas, seja sites, apps, programas ou sistemas, premiando com uma bela quantia de dinheiro para aqueles que trouxessem a solução.

O que é bug e qual a sua origem?

A palavra tem origem inglesa e, em português, o significado de bug é “inseto”. Uma das teorias afirma que o termo teria sido utilizado pela primeira vez por Grace Hopper, programadora da marinha dos EUA, em 1947.  

Em um diário de bordo, Hopper usou a palavra para explicar o mau funcionamento do computador Mark II, da Universidade de Harvard. A falha teria sido causada por um inseto que ficou preso nos contatos de um relê, daí a associação com o bichinho e com as falhas em computadores.

Primeiro registro de bug encontrado 09/09/1947 – Grace Hopper

 

Apesar do registro de Hopper, há também a teoria de que Thomas Edison tenha escolhido o termo primeiro para descrever uma falha mecânica, causada por um inseto que gerou problemas na leitura do seu fonógrafo.

Atualmente, a palavra “bug” é utilizada quando erros ocorrem no funcionamento de um software ou hardware. Pode resultar em comportamentos inesperados, como, por exemplo, um resultado errado ou performance indesejada.

Entretanto, na maioria dos casos, trata-se de falhas no próprio código-fonte, que podem ser causadas, entre outras razões, por um framework, sistema operacional ou compilador. Os bugs são um problema maior quando se tornam porta de entrada para crimes cibernéticos.

Os bugs mais famosos

Bug do milênio

No final do século XX ocorreu o bug do milênio, que passou de um problema simples de informática para uma preocupação em todo o mundo. Isso porque os sistemas antigos que foram desenvolvidos nesse período guardavam e interpretavam as datas com dois dígitos no ano.

Sendo assim, quando houve a virada do milênio, surgiu a preocupação de o ano 2000 ser reconhecido como 1900. Isso faria com que as instituições financeiras tivessem suas aplicações financeiras com juros negativos, dando muito prejuízo para os investidores.

Após esse evento, houve grandes esforços para renovar os sistemas e corrigir o problema a tempo, antes que algum prejuízo ocorresse. Esse foi um dos fatores que resultou no crescimento de empresas do segmento de informática. 

O bug de mais de 300 milhões de dólares

O lançamento do foguete Ariane 5 em 4 de junho de 1996, na França, marcava a data de um bug milionário. Naquele ano havia sido investido um alto capital para construção do foguete e de todo projeto consolidado da corrida espacial europeia.

No entanto, no momento do lançamento, o foguete Ariane 5 desviou a rota e, logo em seguida, ligou o modo de autodestruição, conquistando um dos maiores prejuízos da história, levando mais de 300 milhões de dólares às chamas. 

A causa do problema foi o reaproveitamento do software do Ariane 4. Acontece que o código estava recebendo o valor de 64 bits em float point. Porém, esperava-se receber um valor inteiro de apenas 16 bits. Assim, a aplicação do Ariane 5 foi incapaz de lidar com uma carga tão grande de processamento, consolidando o desastre do lançamento.

A lição dita neste acontecimento é: nunca esqueça de debugar o código.

Programação web: é possível evitar bugs?

Atualmente, na programação web, o ideal é evitar que os bugs aconteçam, porém, nem sempre isso é possível. Muitos sistemas já trabalham para isso, como é o caso da extensão do Firefox, a Firebug, que facilita a correção de bugs, identificando e eliminando os possíveis erros de programação e edição.

Para usuários do Chrome, a opção “inspecionar elementos” (nativa do navegador sem necessidade de extensão) também cumpre muito bem a função de debugging, auxiliando na inspeção e análise dos elementos de uma página web.

Comentários:

Publicidade
Publicidade

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!