Portal Fronteira Livre

Quarta, 27 de outubro de 2021
MENU

Negócios

Carne bovina enviada pelo Brasil à China em setembro pode ser incinerada

Diante das incertezas, pelo menos 14 frigoríficos já decretaram férias coletivas no país, deixando funcionários preocupados com demissão em massa

248
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Cerca de 60% das 218,6 mil toneladas de carne bovina exportadas pelo Brasil em setembro, quando os embarques bateram o recorde da série histórica, podem virar cinzas, caso o governo chinês decida impedir que entrem no país as cargas enviadas após 4 do mês passado, quando os embarques foram suspensos automaticamente devido à confirmação de dois casos atípicos de mal da vaca louca em Minas Gerais e Mato Grosso. Os embarques só para o mercado chinês em setembro somaram 132,455 mil toneladas.

A estimativa é de que 130 mil a 150 mil toneladas de carne bovina estejam paradas em portos chineses ou a caminho, aguardando liberação. Embora o Brasil tenha suspendido a certificação para a exportação no dia 4 de setembro, como determina o protocolo sanitário bilateral firmado com a China, a demora na liberação de cargas nos portos brasileiros, em meio à falta de contêineres, gerou um atraso ("delay") nos embarques do que havia sido certificado em agosto.

“Esse dado de exportação in natura mostra um retrato antigo, não é necessariamente carne que foi embarcada apenas em setembro, computa o resultado operacional completo. Foi carne provavelmente que foi inspecionada em agosto e já estava liberada no serviço de inspeção federal há mais tempo”, explica o analista de proteína animal da Safras&Mercado, Fernando Iglesias ao alertar para o risco que a situação representa.

“Se essa carne chegar no porto, como ela não tem mais a certificação para entrar na China, o que poderia acontecer é essa carne ser considerado clandestina e ser até mesmo incinerada neste tipo de situação”, observa o analista. Outra possibilidade seria essa carne ser enviada de volta ao Brasil, o que também ocasionaria custos logísticos adicionais, além de derrubar os preços no mercado interno.

“Isso traria consequências para o resto do setor carnes e poderia gerar toda uma série de transtornos aqui no nosso mercado doméstico. A indústria teria que arcar com prejuízos grandes porque ela pagou um boi caro. Essa carne que está parada vem de um boi de R$ 315 a R$ 320 por arroba. Então, não foram operações baratas para adquirir essa matéria prima”, explica Iglesias.

De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias de Frigoríficos do Estado de Mato Grosso (Sindifrigo-MT), Paulo Belicanta, havia cargas com atraso de até 17 dias nos portos brasileiros. “Tinha um estoque [de certificados de exportação] já emitido muito grande e isso foi o grande diferencial desse aumento de volume, porque não houve sequer um contêiner certificado pelo Ministério da Agricultura a partir do dia 4 [de setembro]”, explica. Ele compara a situação com a frenagem de um veículo pesado. “Uma carreta, você precisa de alguma tempo para que

Como as certificações ocorreram antes da suspensão, Belicanta afirma estar seguro de que haverá a liberação dos produtos enviados à China no último mês. “O Brasil está autorizado a emitir seus certificados dos produtos produzidos dentro de um protocolo entre Brasil e China e esses produtos que estão lá, ou indo para lá, têm esse aval, essa garantia e essa segurança. E a gente tem essa tranquilidade. Apenas o que pode estar ocorrendo é uma interpretação não correta da nossa parte de algum documento ou de alguma determinação que pudessem estar esperando”, explica.

Compasso de espera

Há mais de um mês suspensa, a exportação brasileira de carne bovina para a China gera apreensão no setor. Entre as causas para a demora, Belicanta destaca a própria pandemia, uma sequência de feriados no país asiático e desafios relacionados à comunicação com as autoridades chinesas.  “Nós temos que ter a consciência de que ainda encontramos muita dificuldade nas traduções e na comunicação entre Brasil e China”, pondera o empresário ao explicar que “algumas interpretações, em alguns, momentos dão um certo delay nas operações”.

Ainda de acordo com o presidente do Sindifrigo-MT, as expectativas são de que as conversas com a China sejam retomadas a partir desda sexta-feira (8/10), quando termina o feriado no país. “A nossa expectativa é de que neste final de semana, com o término deste feriado, a gente já tenha boas notícias”, afirma Belicanta. A retomada, contudo, não resolverá a lacuna gerada por mais de 30 dias de suspensão das certificações para exportação. O impacto deve ser sentido agora em outubro e será “muito grande” e “significativo”, na avaliação do presidente do Sindifrigo-MT.

O analista da Safras&Mercado Fernando Iglesias destaca ainda que a retomada será lenta e gradual. “Não vai ser imediatamente porque tem toda essa logística para resolver antes. Vai gerar uma fila de embarques, uma necessidade muito grande de contêineres, então é mais produto que vai estar em falta na retomada”, observa, ao lembrar, também, das dificuldades para obter insumos necessários para a produção antes e depois da porteira. “Está bem complicado o cenário internacional, tumultuado para dizer o mínimo”, completa o analista.

Diante das incertezas, pelo menos 14 frigoríficos já decretaram férias coletivas no país, segundo número divulgado pela consultoria Agrifatto. O ajuste na operação diante da ausência do principal comprador internacional da carne bovina brasileira fez o preço da arroba desabar no país, chegando a ser cotada a R$ 280 em São Paulo após atingir máximas de R$ 320. O mesmo, acredita-se, ocorrerá com os preços para venda ao mercado chinês após a tão esperada reabertura.

“O que a China está buscando, de fato, é renegociar contratos e baixar preço de proteína animal. E isso é uma oportunidade. Claro que vai depender dos contratos que os importadores chineses vão firmar com os frigoríficos brasileiros, mas a tendencia é que ela consiga preços melhores, sim, depois de tudo isso que aconteceu”, aponta Iglesias.

Créditos (Imagem de capa): Reprodução

Comentários:

Publicidade
Publicidade

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!