Sábado, 13 de Julho de 2024
(45) 99849-1698
Geral Geral

Caged: país tem saldo de 142 mil postos com carteira assinada em julho e 1,16 milhão no ano

Caged: país tem saldo de 142 mil postos com carteira assinada em julho e 1,16 milhão no ano

01/09/2023 00h15 Atualizada há 10 meses
Por: Assessoria
Um total de 43,6 milhões de brasileiros trabalhavam com carteira assinada em julho, o maior valor já registrado na série histórica desde 2002. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Um total de 43,6 milhões de brasileiros trabalhavam com carteira assinada em julho, o maior valor já registrado na série histórica desde 2002. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Saldo é positivo nos cinco grandes grupamentos econômicos e em 26 das 27 Unidades da Federação. Brasil chega a um estoque total de 43,6 milhões de trabalhadores com carteira assinada, maior número já registrado na série histórica

Os dados do Novo Caged de julho mostram que o emprego formal no país apresentou um saldo positivo de 142.702 postos de trabalho no mês. O saldo positivo foi puxado pelo setor de serviços, que gerou 56.303 postos (39% do saldo) e comércio, com 26.744 postos (19% do saldo). No acumulado do ano, são 1,16 milhão de postos de trabalho, saldo positivo nos cinco grupamentos econômicos avaliados e em 26 das 27 Unidades da Federação.

Os dados, apresentados pelo ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, em entrevista coletiva, demonstram que o país tem um estoque total de 43,6 milhões de empregos formais, o maior número já registrado na série histórica levando em conta tanto o período do Caged (junho de 2002 a 2019) quanto do Novo Caged (a partir de 2020). O salário médio real de admissão em julho foi de R$ 2.032,56, aumento de R$ 19,33 em comparação com o valor de junho, que foi de R$ 2013,23.

Confira os dados de cada estado

Saldo positivo - No mês de julho, todos os grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldos positivos. O saldo de 56.303 postos formais de trabalho no setor de serviço foi maior nas áreas de Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (27.218 postos), alojamento e alimentação (9.432 postos) e transporte, armazenagem e correio (8.904 empregos) no mês.

No Comércio, o destaque foi o setor varejista de produtos farmacêuticos (+3.554) e mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios – supermercados (+2.419) e minimercados (+1.704). A Construção Civil teve saldo positivo de 25.423 postos e a Indústria, de +21.254 postos no mês.

Em termos geográficos, apenas no Rio Grande do Sul (-2.129) houve queda do emprego formal, que ficou positivo nas outras 26 unidades da federação. Os maiores saldos foram em São Paulo (+43.331), Rio de Janeiro (+12.710) e Minas Gerais (+12.353).

Entre os grupos populacionais, houve crescimento de 43.947 postos para mulheres e 98.755 para os homens. No que se refere à População com Deficiência, identificou-se saldo positivo de 452 postos de trabalho. O emprego em julho foi positivo para pardos (+75.918), brancos (+15.919), pretos (+13.035), amarelos (+720) e indígenas (+311).

Veja também

https://www.fronteiralivre.com.br/presidente-lanca-plano-para-tirar-novamente-o-brasil-do-mapa-da-fome/
Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias